Follow by Email

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Sou mais um jornalista?

Após o dia 30 de abril, quando o STF declarou inválida a Lei de Imprensa (1967), parece estar havendo muitos receios, por parte dos que têm diploma, ou estão cursando jornalismo, ou pretendem fazer o curso, do que a realidade justifica. Primeiro: o diploma garante a qualidade do exercício profissional? Será preciso lembrar quantos casos para demonstrar o contrário? É só lermos jornais, revistas; acompanharmos os radios e a televisão. Se observarmos, e olha que nem precisamos observar tanto, veremos que o jornalismo praticado no Brasil, claro que têm as suas exceções, é técnicamente medíocre, é uma repetição de si mesmo, quem viu um viu todos. Segundo: na prática, penso que é como se apenas tivesse sido "referendada" uma prática já existente: as redações possuem grandes quantidades de profissionais não diplomados.
Se há uma ameaça ao futuro do jornalismo brasileiro, penso conforme o historiador Guilherme Scalzilli: "os interessados podem procurá-la numa crise inédita de credibilidade, nascida nas próprias redações e alimentada com a cumplicidade de todos os envolvidos, principalmente os tais diplomados".
Agora, sou mais um jornalista? Soaria desonesto furtar um grau superior reconhecido oficialmente. Meus textos, ao contrário do que prega a lógica jornalística, são excessivamente opinativos e diletantes para tamanhas pretensões.

2 comentários:

  1. Certamente, há muitos bons colunistas, "blogueiros", editores, que não tem sua formação em Jornalismo. Acerca disso não há o que falar.. mas uma questão muito mais importante do que isso não foi mencionada. Os muitos profissionais que se dedicaram por longos anos, alguns em Universidades Públicas outros em Particulares, e que agora podem "rasgar" o diploma, pois de nada vale. Claro, não pode-se afirmar que perderam o tempo ou o dinheiro, porque hoje tem um conhecimento agregado muito maior do que aqueles que não o fizeram, entretanto, não têm um Curso de ensino superior... isso na minha concepção é inadimissível. Não se pode sair passando por cima das coisas dessa maneira sem mensurar o real peso que certas nulidades acarretarão para a sociedade. (ISABELLA COSTA - bebell_costa@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  2. Eu sinceramente considero um absurdo essa história de derrubar a lei, acredito que uma fonte mal informada pode causar grandes estragos e que é preciso SIM profissionais formados e bem instruídos que se responsabilizem pelas suas reportagens e sejam punidos em casos de imprudência.

    ResponderExcluir